Particularidades Sobre BDSM

Fetiches X BDSM, Diferenças e Similaridades
http://pt.wikipedia.org/wiki/BDSM
·         Fetiches são preferências sexuais não-baunilhas (o sabor de sorvete mais comum é de baunilha, assim usou-se esse termo para se referir a relações sexuais convencionais, comuns, que tem como expoente a posição “papai-mamãe”). Uma prática BDSM também, no entanto é feita com intuito de BDSM, já um fetiche é feito por si mesmo.
·         Práticas são condutas, ações, estados e/ou fetiches específicos dentro do BDSM. Exemplos: práticas de dogplay, foodplay, spanking. Muitas vezes estão grafadas em inglês, seja por não haver correspondente em nossa língua, seja para que as pessoas baunilhas não percebam do que se trata ou por simples costume de americanizar tudo.
·         Exemplo: existem pessoas que tem o fetiche da podolatria (gostam de pés) e o fazem num contexto onde não há dominação nem sadismo nem bondage, apenas gostam de pés e os cultuam. Simples assim.
·         Entretanto pode ser que uma escrava (quem se submete voluntariamente no BDSM) que tem o fetiche por pés o faça numa conotação de BDSM, para servir o seu Senhor, daí temos além de um fetiche, uma prática BDSM.
·         Todavia, pode ser que a escrava lamba o pé do dono apenas para agradá-lo, já que não gosta de podolatria, então estaremos diante de apenas uma pratica de BDSM, pelo prazer do dominador, e não de um fetiche.
·         Vemos então que fetiches e praticas de BDSM não são a mesma coisa, embora muitas vezes se confundam.





Bondage e Disciplina

·         Dentro dessa categoria temos o bondagista ativo, que é aquele que imobiliza o bondagista passivo (com vários estilos de amarrações, simples ou complexas, de origem oriental (shibari, etc.) ou ocidental (termo bondage), com cordas finas ou grossas, cadarços e outros materiais; imobilizações com fitas isolantes, papel filme, silver tape, outras fitas colantes; com algemas, prendedores, na Cruz de Santo André, na roda, em mecanismo medievais de madeira próprios,etc.).
·         Temos também o disciplinador e o disciplinado, onde, por óbvio, um disciplina e outro é disciplinado. Disciplina é aqui entendido como obrigar ou treinar alguém a fazer alguma atividade ou a adotar certas condutas ou regras.
·         Esses dois conceitos se entrelaçam, pois muitas vezes se usa da imobilização para disciplinar, sempre visando à formação e treinamento do(a) escravo (a) para fielmente exercer seu papel.
·         Embora o conceito de bondage pareça estar incluído na dominação e submissão, há relatos de quem já viu praticantes exclusivos de bondage, sem conotação de dominação ou de sadismo, apenas pela arte da imobilização; então, por isso, percebe-se, embora geralmente inserido num contexto D/s, ser dotado de possível autonomia, sendo correta a sua menção em separado.
·         Já a disciplina parece intrínseca no conceito de controle e dominação, mesmo várias práticas de disciplina sendo especiais (como poney play, dogplay, etc.), todas não deixam de ser dominação; aliás dominação em sentido amplo não deixa de ser uma disciplina, pois é controle. Então a Sigla BDSM deveria significar apenas Bondage, Dominação e Submissão, Sadismo e Masoquismo, embora a sigla continuasse a mesma, pois somente esses conceitos detém autonomia(podem ser verificados isoladamente), embora tal não seja comum. Assim disciplina estaria compreendida na dominação e por isso não mereceria destaque na sigla.






Dominação e Submissão

·         Uma relação de dominação e submissão é caracterizada pelo elemento controle. O dominante controla as ações e pensamentos do submisso, que se submete pelo prazer de fazer as vontades do dominante, pelo prazer que sente com o fato de o dominante ter prazer, é um prazer empático, um prazer de dar prazer.
·         Existem várias práticas relacionadas à dominação e submissão.
·         Por exemplo, o controle da conduta do(a) submisso(a) através de relatórios diários, o dogplay, em que o(a) submisso(a) se comporta como um cão, o foodplay “brincadeiras com comida”, em que se pode, por exemplo, usar o(a) submisso(a) como um prato, colocando-se comida em cima dele(a) (como os filmes em que se come sushi em cima de uma japonesa), a dominação psicológica, em que o dominante molda ou tenta moldar (mais adiante falarei sobre essa polêmica) a psicologia do(a) submisso(a), seus gestos, atitudes e até pensamentos conforme seus gostos e preferências.
·         Na verdade embora essas práticas estejam geralmente ligadas à dominação e submissão, isso não é verdade absoluta, pois o que determinará se uma prática é de dominação e submissão é a intenção dos praticantes com aquilo. Se há intenção de dominação e controle, então estamos diante de uma prática num contexto D/s. Entretanto, uma prática aparentemente ou geralmente D/s, pode estar num contexto mais preponderante de B/D ou de SM. Por exemplo, uma prática de dogplay pode estar relacionada aparentemente a D/s, mas na verdade tratar-se de SM, pois a intenção dos praticantes é explorar o sofrimento, um querendo sentir-se humilhado e o outro humilhar, curtindo o sofrimento alheio; tratar-se-ia de uma prática dogplay num contexto SM e não D/s, ou com poucas cargas de D/s e mais de SM, se é que me faço entender.




Gor, Goreanos

·         Gor é uma variante do BDSM bem específica, que se baseia numa série de livros (romances filosóficos) de um autor estadunidense chamado John Norman, que narram um mundo imaginário onde todas mulheres são naturalmente escravas dos homens, os servindo; nesse mundo isso é normal, é a natureza das coisas e por isso elas não se rebelam. Isso acontece não apenas num contexto sexual, mas também em toda sociedade. Nesse mundo existem vários tipos de escravas, que são chamadas de kajiras.
·         Então, a partir da influência e das idéias desse romance se formaram vários tipos de praticantes de GOR.
·         Existem os que fazem um RPG virtual de GOR, em comunidades virtuais, onde tudo não passa da internet, criando-se verdadeiras comunidades fictícias; enquanto outros fazem dessas teorias e ideais um estilo de vida e o praticam no mundo dos fatos ativamente.
·         Está claro no GOR o conceito de dominação e submissão através do controle e da servidão, por isso o vejo como uma variante exótica do D/s e, com efeito, do BDSM.
·         No Gor, no entanto nem todas as mulheres são escravas, existem mulheres livres que podem possuir escravos, estes denominam-se Kajirus.







Dominação psicológica

·         A dominação psicológica são os atos do(a) dominador(a) para moldar ou tenta moldar o psicológico do(a) submisso(a), seus gestos, atitudes e até pensamentos conforme seus gostos e preferências.
·         Ninguém discorda que é possível dominar fisicamente uma pessoa, agora quanto a sua mente, há controvérsias.
·         Claro que uma dominação que se restringisse a práticas físicas seria superficial, mas se acreditar que alguém se deixará dominar totalmente de modo psicológico por outra pessoa é ser, no mínimo, ingênuo. A mente é um lugar onde só nós mesmos podemos acessar; é como uma casa onde só nós podemos entrar, mas conseguimos trocar cartas com os moradores da nossa vizinhança. Então, que o dominador consiga moldar gestos e atitudes e até algumas idéias é possível, mas que ele controle os pensamentos, dos quais nem o(a) próprio(a) escravo(a) tem controle (pense no fluxo de pensamentos constante que imunda sua mente; tente parar de pensar por um minuto sequer... você consegue?) é uma utopia.







Sadismo e Masoquismo

·         Sadismo é o prazer que se sente em ver o outro sofrer ou gosto em fazer o outro sofrer; é o prazer em ver o outro sentir dor física ou psicológica.
·         Masoquismo é o prazer em sentir dor ou o gosto em senti-la, é prazer pela dor ou a dor pela dor, seja física ou psíquica.
·         Essas condutas podem ser sexuais ou não, embora geralmente o sejam.
·         Exemplo de práticas sádicas clássicas: spanking (bater na pessoa com a mão, chicotes, palmatórias, galhos, colheres, metais, etc.), uso de agulhas (prática hard, consiste em penetrar agulhas na pele da masoquista, para fazê-la sofrer), privação de comida ou água por um tempo, para que a masoquista passe fome e sede, cutting (cortes ou marcas na pele com lâminas frias), branding (cortes ou marcas na pele com lâminas quentes, em brasa), suturas (“costura” de partes da pele, como boca, órgãos genitais e outros, impedindo certos movimentos ou fechando certas aberturas), amarrações em posições que ocasionem dor, etc. ou qualquer outra prática que vise o sofrimento físico ou mental, pois, como dito acima, embora existam práticas que geralmente são associadas a um grupo do BDSM, o que importa realmente é a intenção dos agentes. Um exemplo: o spanking, prática geralmente relacionada ao SM, pode ser de D/s, quando o dominador castigar a submissa para que ela o obedeça. O ponyplay, prática de disciplina e dominação, pode ser também sádica, caso a submissa odeie pôneis ou se sinta humilhada com a prática.
·         A complementação ou a interação entre essas duas vertentes opostas é o sadomasoquismo.
·         Caso uma pessoa tenha só uma tendência, daí será só sádica ou só masoquista, mas existem pessoas que são sádicas por vezes, mas também são masoquistas em outras; tais pessoas são denominadas sadomasoquistas (o assunto será melhor abordado adiante).







São, Seguro e Consensual

·         Todos os atos e práticas no BDSM devem seguir o SSC, serem sãs, seguras e consensuais.
·         Sãs são as práticas que respeitam a razoabilidade mínima e a normalidade lato sensu, estando os praticantes em perfeito estado mental de consciência, objetividade e lucidez. Assim, não se deve praticar com o estado de consciência alterado por substâncias entorpecentes ou alucinógenas ou que de alguma forma alterem a consciência, muito menos fazer-se coisas insanas como mutilações ou até a morte.
·         Prática segura é aquela feita de modo a eliminar os riscos de algo sair do esperado, resultando, por exemplo, em lesões corporais, traumas psicológicos ou até mesmo a morte. Assim precauções devem ser tomadas para que tudo saia bem, como esterelizar equipamentos ou instrumentos cortantes ou perfurantes ou que de alguma forma lesionem a pele ou entrem em contato com sangue; cuidar para que a submissa esteja preparada psicologicamente para práticas de humilhação hard; cuidar ao amarrar para que não se prejudique a circulação ou se ocasione problemas circulatórios; cuidar com o manejo de facas e outros instrumentos cortantes; cuidar para não bater em pontos vitais, dentre muitos outros cuidados a depender da prática adotada.
·         Consensual é o item mais objetivo da tríade, significa que todas as práticas devem ser aceitas tácita ou expressamente. Para tanto existem as negociações prévias entre os participantes e a palavra de segurança(safeword, que faz parar ou diminuir o ritmo das práticas).
·         Negociações prévias são acordos e discussões feitas anteriormente pelos participantes, visando que cada um realmente confira se deseja fazer sessão (espaço temporal onde acontecem as práticas, geralmente são divididas em cenas (conjunto de práticas ou até apenas uma prática em si, mas que tem um fim específico)) com o outro ou outros e quais práticas tem como limites e se esses limites são absolutos ou relativos. Pode ser um acordo oral e informal ou escrito e formal. Alguns praticantes chegam aos limites do detalhismo, criando check lists, listas com inúmeras práticas, onde os participantes fazem marcações (xis) nas que gostam, nas que não gostam muito, nas que tem limitações e etc.
·         Limites são práticas que um praticante de BDSM não deseja fazer. Podem ser absolutos (os quais o participante imagina nunca querer fazer) ou relativos (os quais o participante gostaria de ou aceita quebrar e fazer no futuro, mas que no momento presente não são aceitáveis para ele). Exemplo: às vezes o praticante pode ter uma limitação com a prática de chuva dourada (urolofilia – práticas com urina), mas que deseja superar; e ter também uma limitação absoluta com a prática de chuva marrom (coprofilia – práticas com fezes), a qual nunca deseja superar, tendo extrema repulsa em relação a isso.
·         Safewords são as palavras de segurança, fixadas arbitrariamente pelos praticantes, uma para parar a sessão e outra para apenas moderar a sessão, uma safeword forte e uma safeword fraca. Geralmente são escolhidas palavras estranhas ou incomuns, para que a escrava possa manter a fantasia de estar fazendo as práticas contra a sua vontade ou para não usar a palavra “não” ou para não pedir literalmente ao seu Senhor que pare a sessão, mantendo-se também uma liturgia (conjunto de rituais e aspectos formais da relação; a questão será aprofundada posteriormente). A safeword pode ser também gestual ou simbólica para os casos em que a escrava não possa se comunicar oralmente (p. ex. no caso de estar amordaçada). Pode ser também que se prefira convencionar somente uma safeword, que pare a sessão, ao invés de duas.







RACK (Risk-Aware Consensual Kink)
·         “Tara consensual consciente do risco”, essa é a tradução literal dessa expressão criada por um BDSMer (aquele que pratica BDSM) estadunidense para se contrapor a noção simplória do SSC.
·         Enquanto o SSC diz seguro, o RACK diz consciente do risco. O que esse conceito novo quer mostrar é que nada é 100% seguro na vida, mesmo se estivermos dentro de casa dormindo, algo de ruim nos pode acontecer, para se morrer basta estar vivo. Até as práticas mais simples apresentam riscos de danos físicos ou psíquicos. Aí entra a noção de minimização dos riscos, ou seja, tentar baixar o risco inerente às práticas ao mínimo possível, através dos cuidados e precauções pertinentes e estudando previamente e aprofundadamente o que se fará. O risco sempre estará presente nas práticas, mas podemos minimizá-los bastante. Claro que existem práticas que apresentam por natureza quase nenhum risco, mas existem muitas outras que têm risco médio ou elevado. Há uma escala de riscos, das práticas mais perigosas as menos perigosas.
·         Enfatiza-se no conceito de RACK que as partes têm de estar cientes de que existe um risco inerente mínimo e que não se pode eliminá-lo por completo. Isso também distribui um pouco da responsabilidade, que passa a não ser exclusiva do TOP (aquele que comanda a sessão; o conceito será aprofundado mais adiante), mas que também, em menor grau, transmite-se à bottom (a que é comandada; o conceito será aprofundado mais adiante). Obviamente que o TOP é que conduzirá a sessão e as cenas, mas a bottom está ciente de que as práticas com que consentiu apresentam riscos, os quais podem ser elevados, médios ou baixos, a depender do caso concreto e dos cuidados que forem adotados.
·         A noção de consensualidade permanece, pois as práticas serão feitas de modo consensual, conforme a expressão Consensual Kink.
·         O conceito de sanidade parece estar incluído no de minimização de riscos, pois ao praticar-se o BDSM com o estado de consciência alterado por substâncias entorpecentes ou alucinógenas ou que de alguma forma alterem a consciência ou ao fazerem-se coisas insanas e desmedidas o risco a saúde física e mental é gigante (não se precisa nem falar de mutilações e mortes, que por óbvio atacam a integridade física e a vida). A sanidade também como negação à relação com incapazes se mantém, pois uma pessoa insana não pode dar um consentimento válido.






PCRM (Prática Consensual com Risco Mínimo)

·         A expressão RACK é mais exata do que a expressão SSC, entretanto mesmo assim não é perfeitamente exata, por isso proponho um novo conceito, segundo o qual as práticas do BDSM devem ser Consensuais, almejando-se sempre o risco mínimo ou a minimização máxima dos riscos; logo, a expressão correta deve ser Prática Consensual com Risco Mínimo.
·         Essa nova expressão, a PCRM, além de ser mais exata, também elimina um termo que, pelo menos no Brasil, é pejorativo, o de “tara”; pois que não nos considero tarados, muito menos anormais, e sim apenas pessoas que admitiram a sua natureza e a exercem de modo sadio e dentro da lei, diferente da hipocrisia dominante que tenta negar seus instintos ou dos desejos “feijão-com-arroz” dos baunilhas.





TOP, bottom e Switcher

·         Essas classificações independem da orientação sexual, então, independentemente do gênero das palavras, entenda-se que se aplicam a homens e mulheres.
·         TOP é aquele que detém o poder da prática em questão, o ativo, aquele que faz, que promove as práticas.
·         Bottom é aquele que está sob o poder do TOP, o passivo, que sofre as práticas.
·         Switcher (SW) é aquele que por vezes, seja com o mesmo parceiro ou não, é ativo e por vezes passivo.
·         Um TOP pode ser sádico, dominador ou bondagista ativo ou, o que geralmente ocorre, apresentar todas essas características conjuntamente.
·         Um bottom pode ser masoquista ou submisso ou bondagista passivo ou, o que geralmente ocorre, apresentar todas essas características conjuntamente.
·         Um Switcher é por vezes TOP e por vezes bottom; isso tudo com o mesmo parceiro ou não. Pode ter uma tendência maior para um lado do chicote ou gostar igualmente das duas coisas.
·         Um exemplo curioso e ilustrativo seria o de um switcher sádico submisso que se relacionasse com uma switcher masoquista dominadora. Ele causaria dor nela ao comando e controle dela; ela daria, por exemplo, ordens para que ele batesse nela do jeito e intensidade que ela escolhesse. Várias outras combinações são possíveis.





Todos são SW’s?

·         Embora haja preconceito sobre o tema, na prática se verifica empiricamente que não existe ninguém que seja 100% alguma posição no BDSM, todos por vezes tem algumas preferências ou por vezes sentem algum tipo de desejo contrário a sua posição. Por exemplo, um TOP pode um dia sentir vontade de sentir dor, então embora ele geralmente seja TOP, por vezes pode ser bottom. Inúmeros são os casos de submissos que viraram dominadores e vice-versa em diferentes relações. Então se percebe que todos são Sw’s, geralmente com maior tendência a alguma posição específica, embora a maioria tente esconder seu passado ou seu outro lado menos evidente.

Sexo anal passivo em TOP?

·         Um tema polêmico tem sido o preconceito acerca do TOP querer que pratiquem sexo anal em si, que o penetrem, com isso: ou ele seria um homossexual "enrustido no armário" ou um submisso disfarçado.
·         Ora, nada obsta que um TOP ordene que o penetrem, pois a submissa que fizesse isso estaria obedecendo às ordens do dominador e não seria nada mais do que um instrumento de prazer dele, então ele ainda estaria no comando.
·         Deixemos os preconceitos baunilhas com os baunilhas, aqui eles não devem ter espaço.







Espécies e variantes de TOP

Mestre
·         Mestre é o TOP que não faz apenas uma sessão ou sessões esporádicas, não é um “Dominador ou Sádico de sessão”, mas sim da “vida-BDSM”, ele conduz o(a) escrava pelos caminhos do BDSM, mostrando-lhe novas sensações e teorias, quebrando seus limites aos poucos, tem um comprometimento com ela e com seu desenvolvimento. Um mestre pode ser sádico, dominador e/ou bondagista ou todas alternativas, dependendo de suas preferências.
·         Para que o(a) escravo (a) tenha um mestre, não poderá ser “avulsa” ou apenas “de sessão”, mas sim ter um comprometimento com aquele mestre. Um mestre pode ter várias escravas (as quais seriam “irmãs de coleira”, ou seja, serviriam ao mesmo mestre), mas um(a) escravo(a) não pode ter vários mestres, senão apenas um; entretanto é possível que não tendo mestre, tenha vários dominadores, com os quais pode fazer sessões de vez em quando. Isso deriva daquele provérbio, de que um navio não pode ter mais de um comandante, senão afunda: os marinheiros devem obedecer a um só comandante para a correta navegação do barco. Todo mestre é dono de sua escrava.

Dono

·         Dono é o proprietário do(a) escravo(a). Um(a) escravo(a) que não tem dono é “avulso(a)” ou “livre” ou “libertino(a)”, significa que em cada sessão pode ficar com um Top diferente. O dono pode emprestar livremente o(a) seu (sua) escravo(a) para o uso de outros TOP’s, caso isso seja da preferência dele e não seja um limite dele(a).

Mentor

·         É quase um mestre, a diferença é que ele não conduzirá a mentorada pelos caminhos do BDSM, apenas os indicará ou facilitará para que ela os ache. Isso significa dizer que o mentor não faz sessão com a mentorada, apenas a instrui teoricamente e também experimentalmente sobre como proceder, podendo até arranjar um par para ela. O que se deve exigir do mentor é que ele tenha bastante conhecimento do BDSM.
·         Todo mestre é também mentor de sua escrava.
·         Um submisso pode ser mentor de uma dominadora e vice-versa. Não importa, o que vale é que ele seja um bom professor, haja vista não praticará o BDSM com a mentorada, apenas lhe ensinará sobre tal.

Pronomes de tratamento

·         São comuns pronomes de tratamento que evidenciam a condição de TOP ou de bottom de uma pessoa, embora não entrem na classificação do tópico anterior e por isso não dê para se saber da preferência do praticante dentro do BDSM (se é, p. ex., bondagista, sádico ou dominador) só olhando o pronome usado para se referir ao TOP ou bottom; são apenas modos respeitosos de se referir ao TOP e modos de mostrar a condição do bottom.
·         Assim é comum se chamar o TOP de Senhor, Lord e outros pronomes e as mulheres que são TOP’s de Rainha, Senhora, Lady e outros pronomes.
·         Os bottoms homens são chamados de verme, servo, cão, escravo e etc. As mulheres de escrava, serva, cadela, etc.
·         O praticante de BDSM pode ser chamado também de BDSMer.
·         Domme é sinônimo (de origem francesa) de dominatrix ou dominadora, não sendo um pronome de tratamento, senão uma classificação.
·         O mesmo vale para dom (abrev. de dominador), sub (abrev. de submissa(o)) e masoca ou maso (abrev. de masoquista).
·         O termo deusa é usado para se referir geralmente à mulher da qual os podólatras (podolatria é o fetiche por pés) idolatram os pés.





24/7, Consensual não-consensual, TPE

·         Uma relação-BDSM pode apresentar vários graus de profundidade. Pode ser apenas virtual no início e depois ir evoluindo e cada vez ficando mais intensa.
·         Quando uma relação sai do virtual e passa para o real, geralmente acontecem sessões esporádicas entre o casal e com o tempo, caso eles desejem isso, a relação pode chegar a ser full time, 24 horas por dia, 7 dias por semana, daí a expressão 24/7, embora talvez melhor expressão fosse 24X7.
·         Nessa relação o vínculo-BDSM é integral; a despeito de não ocorrerem sessões e práticas o tempo todo, o domínio persiste, sendo que certos ritos e atitudes podem ser convencionadas para momentos mais descontraídos, quando não se está em sessão.
·         Não se está dizendo que a escrava ficará recebendo chibatadas ou sendo amarrada o tempo todo, mas sim que o tempo todo tal pessoa estará à disposição do TOP, que poderá requisitá-la para alguma prática que o satisfaça a qualquer hora. Parece requisito essencial do 24/7 que o casal more junto ou ao menos muito próximo, de modo que o dono possa dar ordens à escrava quando quiser.
·         No 24/7 ainda existem as safewords: a escrava pode se negar a fazer práticas específicas se isso ferir seus limites.
·         O próximo estágio em termos de entrega é uma relação “consensual não-consensual”, em que a escrava pode até expor seus limites (ou deixar que o TOP vá descobrindo), mas em que ela não poderá usar uma safeword para recusar determinadas ordens. O único direito que a escrava tem é de sair da relação, de “pedir para sair”, todavia, enquanto estiver nessa relação, terá de obedecer qualquer ordem de seu dono. Destarte, nesse nível de intensidade, a escrava tem de escolher bem o dono a quem se submeterá porque estará inteiramente a seu dispor, facultado a ela o direito de desistir da relação como um todo, conforme dito acima.
·         O tipo de relação supracitada se costuma chamar TPE – Total Power Exchange (Troca Total de Poder): todo poder é conferido ao TOP, que deve saber usá-lo de modo a adequar suas ações ao São, Seguro e Consensual.
·         Entretanto, existem variações desse tipo de relação, em que os participantes resolvem convencionar que nenhum deles ou que somente a escrava não poderá dizer que quer sair, que desiste da relação como um todo. Esse tipo de relação, que nega o direito de desistência da escrava ou da escrava e do dono, é errada e ilegal, pois todo ser humano tem o direito de escolher com quem conviver e se relacionar, sendo um direito inerente a nossa condição de seres humanos.
·         Logo, ao menos o direito da escrava e/ou do dono acabar com a relação deve ser preservado e mantido intocado.






Liturgias e ritos

·         Liturgias ou ritos são formalidades, procedimentos ritualísticos que são aplicados, efetuados, durante uma sessão ou playparty (reunião de amigos ou pessoas de confiança onde se realizam práticas de BDSM; esse conceito será melhor desenvolvido adiante).
·         Existem os que separam a noção de liturgia do conceito de ritos.
·         Liturgia seriam os procedimentos formais exercidos numa playparty, na relação dos casais entre si e na relação com outros casais e particulares. Seriam mais normas sociais, coletivas, de convivência durante a play (abreviação de playparty).
·         Exemplos: seria um regra litúrgica exigir que as subs da play chamem todos os TOP de Senhor ou Senhora ou que todas elas usassem a mesma cor de sutiã e calcinha.
·         Ritos seriam os procedimentos formais instituídos pelo TOP para sessões entre o casal ou para reger a convivência deles. Seriam regras íntimas, para o casal — e não para o grupo social.
·         Exemplos: seria um rito que a submissa tivesse que se ajoelhar sempre no início da sessão e beijar os pés do dono, esperando as suas ordens; que ela sempre tivesse que se referir a ele através de uma expressão específica (Senhor, Lord, “dono de mim”, etc.); que sempre fosse amarrada na mesma posição no final da sessão; que nunca pudesse olhar diretamente nos olhos do TOP, sempre os mantendo baixos; que tivesse de ficar em silêncio durante a sessão, aguardando as ordens do dono, na última posição que ele a deixou; que sempre falasse baixo com ele; que sempre fosse vendada durante a sessão; que sempre fizesse determinadas coisas após determinados comandos (por ex. posição nº 1, nº 2, nº 3, etc.), entre vários outros ritos que vão das experiências, preferências e criatividade de cada TOP.





Coleira

·         Uma coleira representa um compromisso, uma relação de propriedade entre TOP e bottom. Assemelha-se ao conceito de aliança baunilha, com a diferença que somente a escrava usa a coleira, para mostrar a todos a quem pertence.
·         Uma coleira pode ser física ou virtual. Podem existir coleiras sociais ou de sessão.
·         Como se convencionou escrever nicks (apelidos virtuais) de TOP em caixa alta (maiúscula) e de bottoms em caixa baixa (minúscula), as coleiras virtuais são geralmente assim escritas: “(nome da escrava)_NOME DO TOP, por exemplo: “(subana)_DOMADOR CRUEL.”
·         A coleira de sessão pode ser mais refinada ou ser essas de cachorro mesmo.
·         No entanto, tendo em vista o preconceito social, não seria prudente alguém sair por aí com uma coleira de cachorro com o nome do dono, então se criaram coleiras sociais, que são mais discretas; podem ser apenas colares com pingentes ou símbolos que remetam a lembrança constante do dono e de que a escrava que a porta a ele pertence.
·         Não obstante se possa usar uma coleira em qualquer sessão, mesmo que seja uma sessão esporádica e sem intenção de manter-se uma relação duradoura — apenas como um fetiche ou para mostrar quem manda — é comum que os TOP que também sejam donos, façam cenas de encoleiramento.

Rituais de encoleiramento

·         Envolvem alguns procedimentos, sendo que no final a escrava é encoleirada; aproxima-se do conceito de casamento baunilha.
·         Por exemplo, pode-se começar com a escrava de joelhos e o TOP em sua frente. Ela beija os pés dele e lê solenemente em voz alta um contrato de relação (onde está escrito que ela se entrega a ele numa relação BDSM em 24/7, por exemplo), diz que o aceita e depois lê um poema, então o dono a encolera.
·         Os rituais de encoleiramento podem ser privados (só entre o casal), semi-privados (na presença de amigos ou numa playparty) ou públicos (numa festa ou evento de BDSM, aberto a todos).







Meio-BDSM - Internet, festas, playpartys,
munchs, clubes, confrarias, workshops

·         O meio-BDSM são os lugares onde ocorrem as relações entre os praticantes, onde encontramos nossos iguais.
·         Não obstante no Brasil esse meio não seja muito sólido e vasto como é lá fora, há certa coesão em alguns lugares.
·         A internet exerceu papel preponderante na criação de um meio-BDSM no Brasil, se é que podemos chamá-lo de “meio”, pois ainda é muito diluído — mas o fato é que antes da geração internet dos anos 90, e especialmente do boom da internet de 1998, não havia meio-BDSM nesse país, havia sim praticantes esparsos que não conseguiam encontrar seus iguais, diferentemente de países europeus, onde já existiam clubes temáticos há muito tempo.
·         Foi a internet que impulsionou o BDSM através de salas de bate-papos, listas de discussões, sites, mais recentemente blogs, que permitiram um intercâmbio entre os praticantes, permitindo que os iguais se unissem através de relações-BDSM ou mesmo apenas de amizade ou de contatos sociais. Com a internet um dominador do Acre poderia encontrar a sua submissa em São Paulo, por exemplo.
·         Por falar em São Paulo, foi lá que se formaram os primeiros clubes de BDSM do Brasil, sendo que até hoje essa capital é a que — pelo menos aparentemente, tanto virtualmente quanto presencialmente em festas e eventos — mais tem praticantes. Todavia, também há clubes e eventos no Rio de Janeiro.
·         Contudo, não podemos deixar de mencionar que também há focos de "vida BDSM" fora dessas duas maiores capitais do país, embora sejam apenas focos, sendo que o “grosso” do BDSM está mesmo em São Paulo e Rio de Janeiro, capitais.
·         Embora não haja clubes fora dessas duas cidades, há festas esparsas que costumam ocorrer de tempos em tempos em alguns estados do país. Nessas festas os praticantes podem trocar idéias num convívio social descontraído e também fazer práticas e realizar fetiches com seus iguais.
·         Existem também as playpartys, que são eventos mais fechados e seletos, onde pessoas que se conhecem ou que têm mais intimidade ou confiança realizam “meio que” uma “sessão coletiva” ou várias sessões individuais em seqüência, segundo liturgias próprias.
·         Playpartys ocorrem em vários lugares do país e de muitas nem ficamos sabendo, haja vista podem ser secretas e fechadas, entrando-se só a convite e/ou após aceitação do grupo. Entretanto existem as playpartys abertas e divulgadas, em que as pessoas podem participar desde que sigam as regras.
·         Aí já nota-se a diferença entra uma mera festa e uma playparty, visto que numa festa não há regras muito rígidas e todos podem participar, sendo que geralmente muitas pessoas comparecem; está mais relacionada ao conceito de “balada” baunilha, com a diferença de que são festas com decoração e algumas regras temáticas do BDSM, onde podem acontecer cenas.
·         Já uma playparty assemelha-se mais a um conceito de “roda de amigos”, onde se realizam apenas cenas; não é uma “balada”, é um “encontro”.
·         Existem também as confrarias, que são grupos fechados e geralmente secretos ou pouco divulgados que se organizam em sociedades com intuito de amizade, de fazer playpartys e de trocarem conhecimentos sobre BDSM e outros temas. Para entrar numa confraria você geralmente precisa ser convidado e aceito pelo grupo.
·         Ademais, há encontros sociais de BDSMers em lugares baunilhas, chamados de "munchs". Podem acontecer em qualquer região do país e são ideais para se começar a fomentar um meio-BDSM onde nada há, partindo-se depois para playpartys, cultivando o terreno para futuras festas e clubes.
·         Dentro dos eventos, festas e clubes podem ocorrer também workshops — aulas onde alguém exímio em algum assunto o explica para os iniciantes ou intermediários no tema específico. Por exemplo: workshops de técnicas de bondage, de ponyplay, de torturas com ceras quentes de velas, etc., explicando como se deve proceder e quais precauções se deve tomar.







Dress Code (código de vestimenta)

·         É uma vestimenta que identifica preferências dos participantes de eventos-BDSM e/ou permite a entrada destes.
·         No Brasil muitas vezes é exigido dos participantes dos eventos que: estejam trajados com roupas exclusivamente pretas, que vão vestidos com alguma roupa fetichista (roupas de couro, látex, vinil) ou mesmo fantasias eróticas ou não.
·         Na Europa, além do descrito acima, às vezes existem lugares em que o participante tem de ir com determinados símbolos (pulseiras, tecidos, bijuterias) que identificam suas preferências, como ser TOP, bottom, SW, ser encoleirada ou não, gostar de spanking, bondage, dogplay, etc., ser heterossexual ou homossexual, etc.
Velha Guarda versus Nova Guarda (BDSM Tradicional, Clássico ou Antigo versus "novo BDSM")
·         Durante a década de 90 formou-se esse meio-BDSM e a nossa cultura “meio que” se sistematizou.
·         Pessoas mais antigas no meio costumam reclamar que os costumes e ritos antigos, que os princípios do “verdadeiro” BDSM estão sendo muito transgredidos pela “nova turma”. É como se fosse um conflito entre gerações, entre pais e filhos.
·         Antigamente era comum se ver relações de puro BDSM, sem misturá-lo com condutas ou sentimentos baunilhas. Cada um, é o que dizem, cumpria o seu papel dentro do BDSM e pronto.
·         Acontece que, de acordo com essa visão, hoje em dia se vive uma invasão de baunilhas apimentados (fetichistas muito leves, que apreciam pequenos fetiches para apimentar a relação), de fetichistas, de pessoas despreparadas sem um mínimo de conhecimento básico e de baunilhas “paraquedistas”. Houve, como dizem, uma baunilhização do meio.
·         Hoje é comum vermos, com os avanços da internet e certa popularização do fetichismo na mídia, a invasão de “paraquedistas”, sem nenhuma filosofia-BDSM, querendo apenas sexo fácil, achando que o conseguirão mais facilmente aqui do que no meio baunilha. Acham que só porque uma mulher é submissa ou masoquista, que ela aceitará qualquer um. Abundam os “mestres de araque”, fingindo deter um conhecimento que não possuem. Daí muitas mulheres saem do meio, pois supõe que aqui só há enganadores e charlatões, o que não é verdade.
·         Acontece também a invasão de certas pessoas que gostam de determinados fetiches, mas que não são BDSMers na acepção correta do termo. Por exemplo, pseudo-submissas, que gostam determinados fetiches, como apanhar ou ser amarrada, mas que não têm o desejo de servir um dominador, ou seja, não fazem tais coisas para agradar o seu Senhor, mas apenas para realizar as suas fantasias. Claro que não se exige que a submissa faça tudo sem prazer. Na maioria das vezes a submissa gosta do que realiza, mas o foco é o prazer do dono, então ela fará também o que não gosta para agradá-lo. Se ela só aceita fazer o que gosta, visando somente seu próprio prazer, estamos diante de uma fetichista apenas, não de uma submissa (que também pode ter os seus fetiches) — nada contra os apenas fetichistas, mas usemos os termos devidamente, por favor.
·         Outrossim, com a popularização do BDSM nas mídias, muitas pessoas despreparadas — que embora sejam BDSMer, não estudam primeiro as práticas que pretendem fazer, violando a questão da Segurança — ocasionam acidentes de leves a graves ou até a morte, quando tudo isso poderia ser evitado se se estudasse antes o que se pretende fazer, para tanto existem livros, sites, eventos, workshops, etc. Maiores cuidados devem ser empregados em relação a práticas mais agressivas, como um spanking forte, uso de agulhas, asfixia, suturas, imobilização severa, etc.: todos os procedimentos de segurança devem ser estudados antes, minimizando ao máximo possível os riscos.
·         A lei da qualidade versus quantidade é válida aqui, pois com a massificação do BDSM era óbvio que haveria uma natural perda de qualidade no quadro geral de BDSMers. Seria impossível que a qualidade de um seleto grupo fosse mantida. É assim nos demais aspectos e setores da vida e sociedade, é preciso separar o joio do trigo; os melhores são poucos, por isso ostentam esse título.
·         Com efeito, é necessária muita cautela na escolha de seu par e também são bem vindas campanhas e veiculação de informações pertinentes, visando à elevação do nível geral de conhecimento dos praticantes de BDSM, excluindo os paraquedistas e enviando-os de volta ao avião do qual caíram rs.
·         Outrossim, está comum atualmente uma mescla de BDSM e coisas baunilhas. Existem praticantes que se casam com seu par e/ou que misturam romantismo e BDSM, como, por exemplo, levar a escrava (e namorada) para um jantar romântico, para uma sessão de cinema, tratá-la com adjetivos carinhosos, levá-la para uma viagem romântica e outros atos tão comuns no mundo baunilha.
·         Não se julga errado a mistura do BDSM com romantismo e/ou outras práticas baunilhas; cada casal sabe de si e do que é melhor para si. Desde que tudo seja feito de modo consensual, honesto e claro e com segurança, não há problema. Entretanto, que as terminologias sejam mantidas, com o fim de rigor terminológico e para facilitar a comunicação entre as pessoas. Então, se é baunilha, seja baunilha. Se é fetichista, que o seja. Se quer misturar romance e BDSM, que os misture; e assim por diante. Todavia, se você é, por exemplo, apenas fetichista, por que querer se denominar BDSMer? Não há status maior nisso. Caso queira misturar BDSM e romantismo, quando se referir a coisas baunilhas e românticas, que admita NÃO tratar-se de BDSM. Cada termo deve ser empregado corretamente para evitar mal-entendidos.





A visão da sociedade: perspectivas

·         Tem se visto uma abertura em relação ao BDSM na sociedade, a imagem tem sido mais positiva por causa dos vários materiais de comunicação que vêm, aos poucos, de forma tímida, desmistificado o BDSM como doença; vários filmes, revistas, livros, artigos e até pesquisas científicas vieram nesse sentido, expondo a nossa cultura underground para as massas e nos tornando mais populares; isso é um processo de abertura que começou com Sade e Masoch e continua até hoje.
·         Não obstante, o preconceito ainda é forte e muito demorará para que se possa falar abertamente sobre o tema com qualquer pessoa ou andar com uma camisa escrito: “sou sadomasoquista”. Deve-se apenas falar de nossas preferências para quem está preparado, ou seja, para quem também é BDSMer ou para quem, mesmo baunilha, é de confiança e tem a mente aberta, é livre-pensador ou ao menos não é preconceituoso ou discriminador nesse tema. Na dúvida, o melhor é ficar em silêncio e não contar nada, visto que não se sabe a reação que as pessoas podem ter em um assunto como esse, envolto em preconceito, ignorância e discriminação; algo que na verdade é tão simples de se entender e se respeitar. Entretanto as pessoas geralmente não gostam do diferente e o discriminam, então tomar precauções para que não sejamos “descobertos” é de bom tom, não revelando nossas preferências abertamente, no máximo usando algum símbolo característico do BDSM, como o triskele — que representa as três tríades: o B/D, o D/s e o SM; o SSC; e o TOP, bottom, switcher; algo que aqui no Brasil ainda é seguro, porquanto a população pouco sabe e muito menos ainda sobre o símbolo; o mesmo não vale, p. ex., para os estadunidenses, onde tal símbolo, segundo dizem, já é conhecido dos baunilhas, ocasionando preconceito o seu uso.






BDSM e Sexo Seguro


·         Os praticantes responsáveis e maduros do BDSM primam pela segurança nos relacionamentos, envolvendo ou não sexo. Especialmente quando as práticas envolvam uso de instrumentos que possam ferir a pele da pessoa submissa.
·         Quando o relacionamento envolvendo sexo se dá de forma não-exclusiva, com múltiplos parceiros, é absolutamente essencial a utilização de proteção de barreira do tipo "camisinha", seja ela masculina ou feminina. Além disso há procedimentos para limpeza e esterilização de instrumentos que sejam usados por mais de uma pessoa, evitando, dessa forma, possibilidade de propagação de doenças, sejam ou não DSTs.
·         O símbolo oficial da comunidade BDSM é uma derivação do triskelion. O Triskelion é a forma básica do emblema, com três "braços" curvados para fora do centro e fundindo-se com um círculo abrangente. O Triskelion é uma forma antiga, que teve muitos usos e muitos significados em muitas culturas.
·         O símbolo BDSM verdadeira deve atender aos seguintes três critérios: 1) Os aros e os raios são de um metal de cores, indicando neste caso ouro, ferro e prata. 2) Os aros e os raios são de largura uniforme com os braços girando em sentido horário. 3) Os campos internos são pretos. 4) Os buracos nos campos são verdadeiramente buracos e não pontos.
·         Mais informações sobre o símbolo pode ser encontrado em The Emblem Project
·         Os itens e estilos de BDSM e fetiche têm sido amplamente difundidos na vida cotidiana dos sociedades ocidentais por diferentes fatores, tais como moda de vanguarda, heavy metal​​, subcultura gótica, e séries de TV de ficção científica,[1] e muitas vezes não são conscientemente conectados com suas raízes BDSM por muitas pessoas. Embora tenham sido confinados principalmente às subculturas Punk e BDSM na década de 1990, desde então têm se disseminado para partes mais amplas das sociedades ocidentais.
·         A bandeira do orgulho de couro é um símbolo para a subcultura de couro e também amplamente utilizado dentro de BDSM. Na Europa continental, o Anel de O é difundido entre os praticantes de BDSM. O Triskelion é comum em comunidades de língua inglesa.





















2 comentários:

  1. Mestre dominador de Brasília, bom nível educacional e social, moro só, branco loiro 1,78 77 kg olhos verdes corpo em forma, ESPECIALIZADO EM BSDM, busca escravas de Brasília que desejem
    ter e ser escravas obedientes com sessões de adestramente, castigos e sexo Orale Anal profundo
    Acesse email e encaminhe mensagem com contatos telefone whatsapp para : luuciflex@yahoo.com.br

    ResponderExcluir